quarta-feira, 15 de maio de 2013

Palavras...

Um grande amigo certa vez me disse para que eu tomasse cuidado com as minhas palavras.
Elas tinham a força de mover montanhas e derreter geleiras. Elas geravam expectativas nas pessoas.
É uma grande verdade, nossas palavras podem tanto tanto mover montanhas, quanto derreter geleiras , trazer o frescor do vento ou o calor da ira,
o açúcar do afeto ou o fel da mágoa.
podem silenciar o universo como açoitar a tudo e a todos como labareda desgovernada de nossos incêndios mais íntimos.
Quando falamos, as palavras são portadoras dos sentimentos e significados de quem as emitiu mesmo que este alguém não saiba quem ele é em dado momento.
Afinal, na ira, nos desgovernamos de nossa consciência.
as palavras navegam sem rumo ou ecoam com seus tambores rtimados.
basta uma palavra para o mundo se abrir e uma intenção, para perceber o universo inteiro se dissipar.
Falar é ato santificado.
Falar é possibilidade de esclarecer, perdoar,acalmar, elogiar, se fazer ouvir.
Falar sem palavras é sabedoria apreendida com o tempo, com o sofrimento , com a maturidade...
É antes de dizer, saber ouvir.
Tudo na natureza é um eterno movimento, de abertura e recolhimento.
De expansão e contração.
O diálogo, a capacidade de manter e buscar um caminho , uma trilha de saída para o impasse.
porque procurar diferenças nas palavras se elas podem trazer conciliação.
Busque suas melhores palavras e as dê como um presente diário para todos que te cercam.

Vida vem e vai

Vem vida!
Me leva por aí, me dá a mão e me tira do chão, me deixa voar!
Levanta meus sonhos, arruma a minha esperança e me dá um sossego!
Me faz flutuar...
Vem vento, ventar na minha memória. Sacode a minha história. Me faz reinventar o vento que ventava antes.
Vem chuva, vem gota,
vem ventania,
vem me molhar, espirrar toda alegria que um dia pude sonhar.
Traz a minha cor.
Traz a minha briza,
me faz louco.
Vem loucura para pintar!
me faz tinta, me dá pincel.
Sou rabisco, sou traço, sou desenho sem forma.
Vem tinta,
vem apagar a dor
Me deixa apenas brilho podendo brilhar.
Sou papel, sou folha, sou linha em desalinho.
Sou barulho, sou silêncio,
sou conversa, sou tumulto, sou gritaria.
Sou apenas eu no meio do salão.
Vem manhã, me acorda, me tira de mim
me desfaz o laço , me dá um abraço, me deixa aninhar-me assim.
Vira noite,
traz estrela, me cobre os sonhos
me aquece as lembranças de onde vim.

domingo, 5 de maio de 2013

Retomando os esçritos e redescobrindo os significados da Semana Santa (2010).

Depois de quatro anos, retorno aos meus escritos pessoais, às minhas viagens, às minhas caminhadas internas e as minhas pedaladas na bicicleta da alma que me carrega para lá e para cá.

Já venho sentindo esta necessidade a muito tempo. Neste período meu pote andou transbordando. Andei meio angustiado e com a ansiedade em alta, acabei me descuidando de mim mesmo.

Retorno a este diário no período da Semana Santa (2010). Sexta feira santa. Comentei outro dia com minha adorável Cristina, que vinha tendo a sensação de que a maioria das pessoas está se distanciando do sentido , ou para ser mais claro, do sentimento religioso que nos une a algo mais elevado e espiritual na vida.

Eu mesmo não sei mais o significado da sexta feira santa. Foi isto que me fez voltar a escrever, voltar a procurar um pouco mais de fantasia e da presença do fantástico na minha vida. Estou lendo um livro budista que se chama "Vazio Luminoso",que interpreta o "Livro Tibetano dos Mortos". Várias coisas estão acontecendo ou reacendendo dentro de mim.

Neste período que passou eu tranquei meu bem mais precioso, a espiritualidade. Fui aos poucos me distanciando das leituras e dos hábitos que me sustentam espiritualmente.Resolvi abrir o baú e tirar tudo para fora, resolvi deixar o calor dos Mestres e da Grande Fraternidade Branca. Preciso recuperar meu prumo espiritual e o meu centro de vida.

Junto com a retomada das leituras , estou me propondo um novo resgate de vida. Mudar completamente os meus hábitos de vida. Um destes hábitos é procurar estar mais próximo dos meus anjos protetores, dos meus orixás e da  minha Divindade, minha essência mais pura.

Quando nascemos, recebemos a proteção e a guarda de um anjo da guarda. Aquele que irá nos acompanhar por toda vida. Se nós não o ajudarmos ele não poderá nos ajudar. Um bom primeiro passo é passar a olhar para cima e para o alto. Não devemos ficar nos amargurando com nossas dificuldades pessoais , os famosos dramas da vida. devemos tentar entender que tudo tem um sentido e um significado.

A vida é uma eterna comemoração, uma celebração do universo que se manifesta e se movimenta eternamente dentro de nós.

Um brinde a vida! Que se ergam as taças da solidariedade e que os homens de boa vontade possam celebrar o seu entendimento com o Criador, com a manifestação divina que nos cobre com seu manto protetor. Esta não tem cor, credo ou raça! existe desde o começo dos tempos e das eras mais remotas.

A cada ano as nossas encarnações nós nos reencontramos com nosso destino interrompido. Reaprendemos a lembrar da vida e da sua importância. as flores despertam , as novas estações se sucedem na incessante troca de vestes. Tudo vibra e tudo canta e recanta em cada canto de Deus.

Foi assim que aconteceu comigo, foi assim que tudo recomeçou dentro de mim.

Foi assim que novamente a luz da vida encontrou meu recanto mais interno e reabriu minhas portas para o valor da vida.

Beijo no coração!

sábado, 4 de maio de 2013

Por um cheiro eu vou...

Por um cheiro eu vou a qualquer recanto da minha alma.
 
As vezes vou atraz da minha infância querida, da minha avó querida.
As vezs vou onde minha mente deixou,
na lembrança de um bom momento.
 
Tem coisa melhor do que cheiro de filho? Esta é uma marca que fica para toda a nossa vida. Somos capazes de lembrar de todos os momentos desta troca com nossas crianças.
 
Cheiro de pai que chega do trabalho. Este é um momento de que me recordo com meu pai. Hoje vejo que era um dos fios mais profundos que nos unia.
 
O cheiro. Ele nunca foi de fazer muito carinho. Nunca foi de passar a mão na cabeça, colocar no colo, fazer um afago.
 
Parecia as vezes, um estranho. Estranheza de pai.
 
A vida também é capazde separar os caminhos que um dia Deus uniu como no caso da relação de um pai com seu filho.
 
Repentinamente, aparece uma bifurcação e os caminhos se separam.
 
As vezes,
para sempre!

Sincronicidade

"Quando nos encontramos nesse estado em que estamos abertos para a vida e para todas as suas possibilidades, desejando dar o próximo passo à medida que ele nos é apresentado, então ncontramos as pessoas mais incríveis, que contribuem e adicionam algo as nossas vidas.
 
 
Isso ocorre em parte por meio do encontro dos nossos olhos, é como se as nossas almas entrassem em contato instantâneo , de forma que nos tornamos parte de uma vida conjunta naquele momento".
 
Do livro: Sincronicidade de Joseph Jaworski.