quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Peregrinando - O que é ser um Peregrino?

Em postagens anteriores comentei sobre a trilha de velas que depositei ao longo de minhas viagens com minha esposa nas diferentes igrejas pelas quais passamos.
Retrato aqui um destes instantes de reflexão para ilustrar uma linda passagem do livro " O Caminho do Peregrino" que aponta na visão de um dos autores, Osmar Ludovico, o que significa ser um peregrino.
Escolhi esta foto de nossa viagem a Paris em 2008. O vitral representa para mim o mosaico de nossas existências. Os pequenos pedaços de nossas diferentes histórias e trajetórias. Por cada um deles passa um facho de luz atravessando e iluminando nosso caminho.
Cada vitral iluminado pela nossa centelha de vida, que permanece sendo única em várias roupagens conforme nossas encarnações, representa um instante, uma conta no colar de pérolas da vida eterna.
Juntos representam o que somos, o que fomos e as possibilidades do que seremos. São nossas bagagens e cantis de água. Estão na nossa mochila cósmica.
Não se prenda a terminologias, religiões, filosofias e grandes seres. cada qual viveu em uma época e trouxe uma mensagem de paz, Amor e Sabedoria.
O caminho pode ser feito seguindo o exemplo marcado na pegada de cada um deles, de todos ou de nenhum deles. Como diz o lema da Sociedade Teosófica da qual sou simpatizante tendo sido membro é; "Não há Religião Superior a Verdade". Portanto, sinta o valor do conhecimento e procure compreendê-lo.
Feche os olhos, abra a mente e desperte a audição interna. Escute, reflita e pense.
"Podemos comparar a existência humana a uma peregrinação. Somos caminhantes e peregrinos em uma jornada que vai do nascimento a morte, do efêmero ao eterno, da terra ao céu.
...Trata-se de uma empreitada sem volta e sem fim porque busca o eterno e o infinito. Quanto mais nos distanciamos de onde partimos, mais longe estamos do nosso destino. É nesse itinerário existencial e espiritual que nos encontramos com cristo. É um caminho com Cristo até Cristo.
Dessa peregrinação, não temos o mapa completo, nem a previsão do tempo. Ora caminhamos por planícies floridas sob o sol cálido e com o vento sobre nossa face, ora caminhamos na tempestade, por vales escuros e tortuosos, por veredas escorregadias à beira do abismo.

... Muitas vezes titubeamos. E nos perguntamos: Seria tudo uma ilusão? Vale a pena confiar tanto naquilo que não vejo nem domino plenamente? Como é que vim parar aqui?
A alegria do caminhante não está em chegar ao destino, mas no próprio caminho. Enquanto o turista observa a paisagem e os acontecimentos externos, guiados pela excitação dos sentidos, o peregrino faz um caminho interno, cujos alicerces estão na sensibilidade do coração. Faz, portanto, um caminho em direção a si mesmo e em direção a Deus.
Aqueles que têm sede e desejo pelo eterno sabem que o eterno existe. Pois se há sede, deve haver água. A sede e o desejo movem o peregrino. Assim canta Davi no Livro dos salmos: " Como suspira a corça pelas correntes das águas, assim, por ti, ó Deus , suspira a minha alma. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. Quando irei e me verei perante a face de Deus?" (SL 42,1-3).
Livro: O Caminho do Peregrino
Autores:
Laurentino Gomes e Osmar Ludovico

Como anda a sua sede? Como anda o seu desejo pelo Eterno?
A secura em que as vezes se encontra a nossa alma, é mais fruto de nossa incredulidade pelo que não compreendemos do que pela certeza do que sentimos. Queremos prova de tudo o tempo todo. Ansiamos por fatos documentais incontestáveis.
Porém, como demonstrar o invisível?  Como congelar o tempo do Eterno vir a ser que nos joga nas dobras do espaço infinito?
A prova é aquilo que internamente está latente a espera do despertar.
Perca o medo e se jogue no desconhecido.
Ele te acompanha sempre!
Beijo no coração!
Namastê!
Saravá!
Amém!

José Vicent Payá Neto

Nenhum comentário:

Postar um comentário